Dúvidas frequentes sobre lipoaspiração

Dúvidas frequentes sobre lipoaspiraçãoA lipoaspiração é um dos dois procedimentos mais comuns realizados por cirurgiões plásticos no mundo. Ela é indicada para o tratamento de áreas com excesso de gordura na barriga, nádegas, quadris, flancos, culotes, face interna das coxas, mamas (peito masculino), costas, face e braços e é igualmente eficaz em homens e mulheres. Sua finalidade é tratar áreas de depósitos de gordura que estão fora de proporção com o resto do seu corpo e não vão embora com dieta e exercícios – a chamada “gordura localizada”.

Preparamos um guia dúvidas mais frequentes sobre a lipoaspiração.

  1. Para que serve a lipoaspiração?

Clínica DFL – A técnica é recomendada principalmente para o tratamento da gordura localizada. Em termos de alternativas cirúrgicas segue sendo a melhor opção.

  1. A lipoaspiração é indicada para emagrecidmento?

Clínica DFL – A lipoaspiração não é um tratamento emagrecedor. Seu foco é a gordura localizada, que não é eliminada com dietas e exercícios físicos. Para pacientes acima do peso, é indicado que primeira emagreça e faça a lipoaspiração para eliminar os excessos de gordura.

  1. A gordura localizada aspirada pode voltar?

Clínica DFL – A resposta depende de como o paciente vai se comportar após o procedimento. Como foi dito, a lipoaspiração é recomendada somente após um efetivo emagrecimento, no caso de pessoas que eram obesas. Isso implica dedicação e, principalmente, mudança de comportamento.

Sabemos que manter o peso ideal do corpo é quase uma equação matemática. Precisamos, no mínimo, queimar o que consumimos, para manter o peso. Se após a cirurgia, o paciente estiver empenhado em seguir uma dieta equilibrada e realizar exercícios físicos regularmente, sim, a lipoaspiração é definitiva. Do contrário, os resultados conquistados no procedimento podem ser perdido, com novo ganho de peso.

  1. Existe diferença entre lipoaspiração e lipoescultura?

Clínica DFL – Tecnicamente elas são bem parecidas, ou seja, em ambas a gordura é sugada. Porém, na lipoaspiração a gordura retirada é desprezada, enquanto na lipoescultura o excesso de gordura pode ser injetado em outras áreas (principalmente no bumbum), com o objetivo de melhorar o contorno corporal.

  1. Quais os riscos envolvidos na lipoaspiração?

Clínica DFL – Felizmente, as complicações da cirurgia de lipoaspiração não são frequentes. O tema dos riscos e possíveis complicações da cirurgia são melhor discutidos em base pessoal entre o paciente e o cirurgião plástico. Os riscos na maioria das cirurgias são semelhantes. Algumas das complicações potenciais que podem ser discutidas incluem hematoma (acúmulo de sangue sob a pele que podem exigir a remoção), infecções e tromboses. Seguindo as recomendações pré e pós-cirúrgicas, é possível reduzir consideravelmente qualquer risco.

  1. Paciente com excesso de pele deve recorrer a outras técnicas?

Clínica DFL – Os pacientes que têm muito excesso de pele e/ou flacidez na barriga podem precisar de uma abdominoplastia associada à lipoaspiração para resolver de forma eficiente a flacidez e excesso de pele.

  1. A lipoaspiração pode ser feita junto a outras cirurgias?

Clínica DFL – Sim, é possível associar a lipoaspiração a outros procedimentos, sendo os mais comuns o implante de silicone e a abdominoplastia. Desta forma, é possível conquistar resultados mais harmoniosos como um todo.

  1. Como é a recuperação da lipoaspiração?

Clínica DFL – O tempo que leva para a recuperação varia muito entre os indivíduos. Nos primeiros dias após a cirurgia, é recomendado descanso, embora seja importante pequenas caminhas pela casa para evitar a trombose venosa profunda. Medicamento só deve ser tomado sob prescrição médica. Além disso, será indicada o uso de uma cinta.

Nas primeiras 48 horas após a cirurgia, os pacientes experimentam diversos graus de edema e hematomas. O inchaço pode persistir por mais tempo. Equimoses geralmente desaparecem dentro de sete a dez dias. Os pontos são normalmente removidos dentro de uma semana da cirurgia.

O cirurgião pode indicar também a drenagem linfática pós-operatória ou a aplicação de ultrassom para diminuir o inchaço e hematomas, ajudando na recuperação.

Conheça o passo a passo de uma cirurgia plástica

Sempre que uma pessoa se incomoda com algo em seu corpo, existem possibilidades para melhorar. Uma delas é a cirurgia plástica, cada vez mais acessível ao público brasileiro, mas que exige planejamento e um boa pesquisa para tudo correr bem.

A cirurgia plástica gera grande ansiedade e entusiasmo sobre seus resultados e, como toda cirurgia, oferece riscos, que devem ser informados pelo médico.

Em primeiro lugar, o paciente deve procurar um cirurgião plástico de confiança. Indicações de conhecidos, ou busca sobre o médico na internet, formação etc são algumas formas de conhecer mais sobre seu trabalho. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, um bom cirurgião plástico deve ter passado por um treinamento de cinco anos em cirurgia, três deles apenas em especialização em cirurgia plástica. Este cirurgião ainda deve ser submetido a um conselho de ética, além de realizar operações apenas em instalações médicas credenciadas, seja cosmética ou reconstrutiva, como centros cirúrgicos em hospitais, de acordo com o tipo de cirurgia. Além disso, a clínica onde o médico atende deve ser regulamentada pelo Conselho Regional de Medicina e pela Vigilância Sanitária.

Após escolher a clínica e o cirurgião plástico, o paciente deve estabelecer uma parceria de confiança com o médico, fazer todas as perguntas e tirar todas as dúvidas com relação ao pré-operatório, ao procedimento cirúrgico, bem como pedir todas as orientações para o pós-operatório.

O paciente também deve ter atenção com relação a ofertas milagrosas, com preços baixos e cirurgias feitas rapidamente, em horário de almoço da paciente, com autorização para voltar ao trabalho, como lipoaspirações ou as chamadas minilipos, que devem obrigatoriamente ser feitas em centros cirúrgicos, pelo risco que oferecem. O paciente deve desconfiar de profissionais que oferecem este tipo de serviço.

Além do histórico completo do médico, para o melhor resultado de uma cirurgia plástica, o paciente deve cumprir com alguns requisitos, como informar o cirurgião sobre doenças preexistentes, tabagismo, medicamentos, vitaminas ou anticoncepcionais orais que consuma, alergias e reações a medicamentos. O paciente também deve parar de fumar e suspender medicamentos que possam causar algum risco de sangramento. Todos os exames clínicos, inclusive de sangue e coagulação, devem ser feitos e analisados pelo médico antes da cirurgia plástica.

Depois que todos os exames forem avaliados pelo médico, incluindo a avaliação do anestesista, se o paciente estiver liberado e com tudo em ordem, a cirurgia pode ser marcada.

No dia da cirurgia, o paciente deve estar em jejum, sem ingerir alimentos, bebidas ou quaisquer líquidos por, pelo menos, 8 horas.

Logo depois da cirurgia, o paciente ficará na sala de recuperação por algumas horas, onde profissionais treinados vão administrar medicamentos para a dor, antes mesmo de ir para o quarto, no caso da necessidade de internação. Na internação, que pode durar horas ou dias, varia de acordo com o tamanho e a localização da cirurgia, o paciente vai receber toda a orientação sobre como tratar dos curativos, os cuidados com os pontos e com a movimentação do corpo, como no caso de mamoplastia, em que a paciente não pode carregar peso ou fazer movimentos bruscos, além de precisar usar sutiã ou faixa de compressão por alguns dias; ou a ninfoplastia, plástica na vagina, em que a atividade sexual deve ser suspensa por cerca de 45 dias, por exemplo.
Após o paciente receber alta, outro momento de grande ansiedade, o cirurgião plástico passa orientações para o pós-operatório, que devem ser seguidas à risca, como os cuidados com os curativos, alimentação, além de não se expor ao sol, pois as cicatrizes podem ficar escuras com os efeitos dos raios ultravioleta.

É importante ir à primeira consulta de retorno, pois é quando o cirurgião vai fazer a avaliação dos primeiros resultados da cirurgia. Deve-se comparecer em todas as consultas de retorno, para verificar a evolução dos resultados.

Apesar de, em poucos dias, o paciente já notar os efeitos da cirurgia plástica, algumas cirurgias podem levar até seis meses para apresentar os reais resultados do procedimento realizado.

Mamoplastia: esclareça as dúvidas mais frequentes

Mamoplastia ArteMamoplastia é a cirurgia feita para aumento ou diminuição da mama, ou ainda para elevação, que muda sua forma e seus contornos, seja por fatores estéticos ou pela necessidade de reconstrução após algum acidente ou doença grave, como câncer, em que as mamas devem ser obrigatoriamente retiradas. Deve ser realizada em centro cirúrgico autorizado pela Vigilância Sanitária.

Antes mesmo de falar sobre os procedimentos para uma mamoplastia, um ponto importante é o paciente observar se o cirurgião plástico consultado é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fator que vai garantir segurança em todo o processo pré e pós-operatório, além de se tratar de um profissional com todas as licenças e treinamento para efetuar os procedimentos.

Na mamoplastia de aumento de mama, são utilizados implantes de silicone para deixar as mamas maiores e projetadas para frente. Em muitos casos, a paciente procura aumentar o tamanho da mama porque quer recuperar as suas formas da época da juventude ou até mesmo após um processo de emagrecimento em que os seios podem ter ficado flácidos.

Uma grande dúvida é sobre o tamanhos que as mamas devem ficar. O cirurgião deve avaliar junto à paciente o volume do implante a ser colocado, para chegar a um bom resultado, visando a proporcionalidade em relação ao corpo da mulher.

Há casos em que os seios estão muito caídos (ptose) e somente o implante não resolve o problema, pois só traria volume. Nestas situações, são indicados dois procedimentos em uma única cirurgia, como a elevação da mama e o implante de silicone. O cirurgião vai avaliar se existe esta necessidade.

Os procedimentos pré-operatórios envolvem a avaliação de exames de sangue, da posição dos mamilos e da pele dos seios, além do estado geral de saúde da paciente, para recomendar o melhor procedimento, inclusive qual o melhor tipo de anestesia a ser utilizada.

As mamoplastias de aumento podem ser feitas por diferentes métodos, com incisões feitas em pontos específicos para ficarem mais discretas, como a incisão inframamária, na parte inferior da mama, a Incisão transaxilar, feita em um ponto da axila, e a incisão periareolar, um pequeno corte em torno da aréola, por onde o silicone é introduzido, para justamente fazer o aumento do volume da mama. Quando o cirurgião decidir o formato do silicone a ser usado e seu volume apropriado para a paciente, ele também vai escolher o melhor método, que tipo de incisão usar e onde colocar o silicone, sob o músculo peitoral ou diretamente atrás do tecido mamário, sobre o músculo peitoral.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, “os implantes de silicone devem ser preenchidos com gel coesivo. Eles têm a textura muito parecida como o tecido natural da mama. Em caso de ruptura do implante, o gel pode permanecer no interior do invólucro, o que garante segurança para a mulher.

A paciente deve receber alta no mesmo dia da cirurgia ou no dia seguinte, dependendo da cirurgia que foi necessária, tomar os medicamentos para reduzir o risco de infecção e fazer repouso por alguns dias, evitar fazer força e muitos movimentos próximos aos pontos, para uma boa cicatrização, que varia de paciente para paciente, uso de sutiã elástico por cerca de três semanas, com liberação para exercícios físicos após avaliação do cirurgião.

A mamoplastia também pode ser para redução da mama, quando é retirado excesso de gordura, o tecido glandular e a pele. A cirurgia é indicada para diminuir o desconforto causado pelos seios grandes, que podem trazer problemas na coluna devido ao peso mamário. Remodelar as mamas e dar um formato natural também trazem aumento da autoestima das mulheres, que terão seios proporcionais e mais adaptados ao tamanho de seu corpo.

A mamoplastia envolve todos os riscos de uma cirurgia, que precisam ser informados ao paciente pelo cirurgião. Os cuidados no pós-operatório devem ser seguidos, para evitar infecções, necroses, cicatrizes desfavoráveis e alteração de sensibilidade.

Lipoaspiração: dúvidas frequentes

Lipoaspiração: dúvidas frequentesA lipoaspiração é um método rápido e prático para modelar o corpo, com a retirada de gordura localizada. O que parece cômodo, na verdade, é uma cirurgia de grande porte, que exige cirurgiões plásticos muito bem treinados e cuidadosos com seus pacientes. A Clínica DFL fez um levantamento das principais dúvidas sobre lipoaspiração, seus riscos e cuidados no pós-operatório para alcançar o melhor resultado no corpo.

Quais os riscos de uma lipoaspiração?

Toda cirurgia tem seu risco. Os riscos da lipoaspiração podem ser avaliados durante a consulta, quando o médico deve questionar o paciente sobre doenças prévias, além de pedir os exames de praxe pré-cirurgicos, incluindo avaliação cardiológica. Se não houver riscos, a cirurgia é indicada.

A lipoaspiração deve ser feita em clínica ou em hospital?

A recomendação da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica é que a lipoaspiração deve ser exclusivamente realizada em hospital, devido ao porte da cirurgia.

Qual o tipo de anestesia é indicada para uma lipoaspiração?

A grande maioria é peridural. Em alguns casos, é geral. Em poucos casos, a anestesia é local, com sedação do paciente e presença do anestesista.

Quais as chances de ocorrer uma perfuração durante a lipoaspiração?

Utilizando a técnica correta, o médico previne as chances de perfuração. É difícil de acontecer, mas não é impossível. É um procedimento que exige muito treinamento.

Quanto tempo leva a recuperação após um lipoaspiração?

Cerca de duas semanas para a recuperação, dependendo do porte da cirurgia e, claro, da própria capacidade de recuperação de cada paciente.

Quais os cuidados pós-operatórios para não ficar cicatrizes?

As técnicas modernas fazem poucos e pequenos cortes e as cicatrizes são quase imperceptíveis. O paciente também pode procurar uma esteticista especializada em pós-cirúrgico, para procedimentos, como drenagem linfática, que ajuda a desinchar o corpo. O uso da cinta e o repouso no período de recuperação são essenciais, quando recomendados pelo cirurgião.

É preciso fazer exercícios depois de passar por uma lipoaspiração?

A lipoaspiração traz resultados, mas o paciente precisa fazer ginástica e se alimentar de forma correta, para não perder os resultados da cirurgia. O ideal é ter orientação de nutricionista para uma dieta equilibrada para conquistar um resultado duradouro. A ginástica é muito importante, pois vai ajudar a queimar o restante da gordura que ficou no corpo.

Quanto de gordura pode ser retirado em uma lipoaspiração?

Em média 5% de gordura sobre o peso total do paciente. Em um paciente de 70kg, pode tirar 3,5kg de gordura. A paciente não deve fazer uma grande lipoaspiração, no corpo inteiro de uma vez. O paciente deve fazer vários procedimentos, pois, assim, diminui os riscos.

Adolescentes e idosos podem fazer lipoaspiração?

Não há limite de idade para o procedimento, mas as pacientes idosas precisam de uma avaliação detalhada e, se não houver riscos, pode fazer a cirurgia. Para jovens, a indicação é após o fim da puberdade. A lipoaspiração é proibida para gestantes.

Qual a diferença entre lipoaspiração e lipoescultura?

A lipoaspiração tira a célula de gordura do corpo e descarta. Na lipoescultura, a gordura é retirada de uma parte do corpo, como da cintura, e aplicada em outra parte, como nas nádegas.

O resultado da lipoaspiração é para o resto da vida?

Não existem resultados eternos. O paciente precisa fazer ginástica e manter a dieta equilibrada. Além disso, o metabolismo do corpo muda com o tempo e apresenta alterações hormonais de acordo com a idade. Se o paciente necessitar, uma nova lipoaspiração pode ser feita posteriormente.

Técnicas de cirurgia para cicatrizes

cirurgia para cicatrizesAs cicatrizes são sinais visíveis que permanecem após uma ferida ser cicatrizada, sendo resultado inevitável de lesão ou cirurgia, e seu desenvolvimento pode ser imprevisível. A má cicatrização pode contribuir para o surgimento de cicatrizes desfavoráveis. Mesmo uma ferida que cicatriza bem pode resultar em cicatriz precária em sua aparência.

Frequentemente, a má cicatrização, principalmente em lugares mais expostos, acaba fazendo com que as pessoas se sintam complexadas, ou fiquem com a auto-estima baixa. Felizmente, com a cirurgia de correção de cicatriz é possível reduzir a marca de modo que fique mais uniforme com o tom de pele do paciente e a textura circundante.

As opções de tratamento variam de acordo com o tipo e o grau de cicatrização e podem incluir: tratamentos tópicos simples, procedimentos minimamente, ou a revisão cirúrgica com técnicas avançadas de fechamento da ferida.

Nos casos em que a cirurgia de correção é necessária, seu objetivo é minimizar a cicatriz. Apesar de o procedimento proporcionar resultado estético mais agradável ou melhorar uma cicatriz que tenha má aparência, uma cicatriz não pode ser completamente apagada e isso precisa ficar muito claro aos pacientes.

Tipos de cicatrizes – existem quatro tipos de cicatrizes. Essa variação é o que determinará o melhor procedimento para tratá-la.

Cicatrizes discrômicas – podendo ser hipocrômicas quando mais clara que a pele adjacente ou hipercrômica quando mais escura que a pele. Podem ser esteticamente melhoradas por cirurgia ou pelo uso tópico de soluções descromiantes. Estes tipos de cicatrizes não prejudicam a função ou causam desconforto físico e incluem cicatrizes de acne, bem como cicatrizes decorrentes de ferimentos leves e de incisões cirúrgicas anteriores.

Cicatrizes hipertróficas são aglomerados espessos de tecido cicatricial que se desenvolvem diretamente no local da cicatrização. A maioria das vezes, elas são altas, vermelhas e/ou desconfortáveis, e podem se tornar maiores ao longo do tempo. Essas cicatrizes também podem ser hiperpigmentadas (de cor mais escura) ou hipopigmentadas (de cor mais clara).

Quelóides são maiores que as cicatrizes hipertróficas e podem ser dolorosas ou apresentarem prurido. Os queloides estendem se para além das bordas de uma ferida ou incisão inicial, podendo ocorrer em qualquer parte do corpo, mas, desenvolvem-se mais comumente onde há pouco tecido subjacente de gordura como no peito e nos ombros mas pode ocorrer em qualquer área corpórea.

As contraturas são cicatrizes que restringem o movimento devido à retração da pele e do tecido subjacente durante a cicatrização. As contraturas ocorrem quando há uma grande quantidade de perda de tecido, por exemplo, após uma queimadura. As contraturas também podem se formar quando a ferida é em uma articulação, restringindo o movimento dos dedos, cotovelos, joelhos e pescoço.

A cirurgia de correção de cicatriz é um procedimento altamente individualizado e, acima de tudo, o paciente deve fazê-lo para si mesmo, não para satisfazer os desejos de outra pessoa, ou para se adaptar a qualquer tipo de imagem ideal.

Ela pode ser realizada em pessoas de qualquer idade e que se sinta incomodada por ter uma cicatriz em qualquer parte do seu corpo só é indicada se a pessoa está fisicamente saudável – os exames pré-operatório indicarão isso. É importante avaliar se há perspectiva positiva quanto ao tratamento e se as expectativas do paciente são realistas sobre o resultado a ser obtido. E por fim, se o candidato ao procedimento não possui acne ativa ou demais doenças de pele na área a ser tratada.

O que é bioplastia facial

bioplastia facialA bioplastia é uma técnica médica de preenchimento para definir o maxilar e repor a volumetria que, muitas vezes, é perdida pelos efeitos do envelhecimento.

Além disso, o procedimento pode corrigir ou atenuar formas da face, aumentar o malar ou proporcionar diminuição da flacidez facial com um efeito similar ao do lifting cirúrgico. O procedimento é muito seguro e o resultado é rápido – não requer internação.

O Ácido hialurônico é o principal produto utilizado na bioplastia, já o PMMA é utilizado há mais de 50 anos na ortopedia para próteses de quadril, bem como na oftalmologia, para a fabricação de lentes. Conheça as possibilidades da técnica, de acordo com as regiões do rosto.

Bioplastia de lábios – o procedimento de preenchimento labial com bioplastia permite que o médico atue no tamanho, no contorno dos lábios e no chamado arco cupido.

Bioplastia de nariz – permite elevar a ponta do nariz e atuar no dorso nasal.

Bioplastia de queixo – permitir que se trabalhe a forma, o tamanho e o comprimento do mento. Por meio da técnica, é possível deixar ele mais arredondado e comprido.

Bioplastia de linha da mandíbula – a linha da mandíbula é uma das características mais influentes em todo o conjunto facial. Com a bioplastia de linha da mandíbula é possível realçar o contorno que faz a linha de divisão entre o rosto e pescoço.

Bioplastia da maça do rosto – trabalha-se o contorno envelhecido, buscando dar destaque aos ângulos que compõem a face.

Bioplastia de rugas – preenche depressões naturais da face, como os sulcos nasogenianos ou sulcos labiogenianos.

Bioplastia de pálpebras – sua aplicação se dá na região onde aparecem as olheiras, ou seja, abaixo dos olhos.